Mundial 16
  CBFS       15/06/2016  

Crédito:

O nome Ricardo Muendane pode ser desconhecido para a maioria do público que acompanha o futsal, mas no dia 17 de setembro ele deve entrar em quadra vestindo a camisa de Moçambique contra a Seleção Brasileira, na última partida da fase de grupos da Copa do Mundo. Aos 35 anos, Ricardo é o grande talismã moçambiquenho e iria se aposentar após a classificatória africana do mundial, mas repensou a decisão e se colocou à disposição para atuar na Copa.

Voltar atrás não foi uma atitude considerada apenas pela classificação de Moçambique para a Copa do Mundo. Artilheiro das Eliminatórias, Ricardo revela que virou estrela no país e os pedidos da torcida foram fundamentais para adiar a aposentadoria.

"Para mim, ter levado o time para a Copa do Mundo seria o fim da estrada. Nós temos muitos, muitos jogadores jovens. Eles precisam ir para esse tipo de competição e aprender. Mas muitas pessoas no meu país, até mesmo políticos e minha família, todos falaram que eu precisava ir para a Copa. Então, no fim, falei: tudo bem, eu irei", diz.

O feito de Moçambique é considerado uma grande abertura para o futsal no país. Ricardo explica que o futebol é bem mais popular nas cidades moçambiquenhas, mas as coisas começaram a mudar com a classificação para o próximo mundial.

"O futsal não é muito grande em Moçambique. Porém, após nossa classificação, foi um grande feito que fizemos na história e rapidamente as pessoas passaram a comentar sobre futsal, chamando-nos de heróis. As pessoas me reconhecem na rua, no meu trabalho, na minha vizinhança e sou sempre perguntado sobre o esporte. Todos separam um tempo para nos desejar sorte na Colômbia", revela.

Respeito e admiração

Ricardo divide a vida no futsal com o trabalho em uma companhia de distribuição de água. A falta de foco no esporte não impediu o sucesso, já que esta é a segunda vez que ele vence o prêmio de artilheiro da áfrica. Por conta da bela trajetória, conquistou admiração e respeito dos companheiros dentro e fora de quadra, sendo, assim, o capitão da Seleção.

"Escolhi o Ricardo para ser capitão porque ele tem uma grande experiência em liderança. Ele é muito importante e todos os jogadores o respeitam. Acredito que na Colômbia o mundo irá ver sua determinação e os gols que ele tanto marcou no solo africano", pontua o treinador Abdul Naymo.

Moçambique será o último adversário do Brasil na fase de Grupos da Copa do Mundo. Antes os africanos Austrália e Ucrânia, outros membros do Grupo D. Vale lembrar que a Copa do Mundo de Futsal Fifa 2016 será na Colômbia, de 10 de setembro a 1 de outubro.