Sub-17
  CBFS       25/05/2017  

Crédito: Orlando Bento

A Seleção Brasileira de Futsal tem um novo coordenador para a categoria Sub-17. Rodrigo Perdigão, profissional com quase duas décadas de experiência no Minas (MG) assume o cargo com a responsabilidade observar e moldar novos talentos que possam se destacar na modalidade. E, principalmente, para o grande dessafio de 2018: os Jogos Olímpicos da Juventude.

Com tamanho desafio pela frente, Perdigão demonstra que irá encarar com naturalidade, mas ciente da grande oportunidade que terá pela frente com um torneio que pode ser histórico para o futsal.

"É uma responsabilidade gigantesca, uma vez que todos encaramos os Jogos Olímpicos da Juventude como uma porta de entrada para as Olimpíadas. Todos temos que trabalhar em conjunto neste objetivo: que é representar bem o Brasil no primeiro evento que a modalidade vai ser apresentada para o mundo dentro dos jogos olímpicos", aponta.

Experiência para trabalhar com jovens não falta. Perdigão já tem quase duas décadas de serviços no Minas Tênis Clube (MG), uma das equipes que tem forte trabalho nas categorias de base. Por isso, exportar esse conhecimento adquirido dentro do clube mineiro poderá ser um diferencial para atuar com a Seleção.

"O DNA do Minas é formação de atletas. Por exemplo, no nosso time adulto hoje 7 atletas são belo-horizontinos. Se você fizer uma pesquisa rápida, verá que é um percentual de 50%, 60% do nosso plantel. E se você puxar para os times da Liga, por exemplo, quase nenhum possui jogadores oriundos da própria cidade. O Minas tem dentro desse perfil uma característica de formação de atletas, com uma linha de trabalho. Todas as nossas categorias trabalham em prol da formação para o time adulto", explica.

Já de olho

E um dos grandes desafios da categoria é mapear os jovens talentos para conseguir moldar as características de cada um para desenvolvimento dos pontos necessários. Para isso Perdigão já traçou um bom referêncial, que será o Campeonato Brasileiro de Seleções Sub-17, no segundo semestre. A competição irá reunir os melhores jogadores de cada Estado, momento perfeito para observação.

"O Brasil é um celeiro de grandes atletas. Em setembro teremos uma boa oportunidade de ver esses talentos em ação, quando deve acontecer o Campeonato Brasileiro Sub-17. Dentro desse prognóstico, teremos mais de um ano para identificá-los e trabalhá-los. Assim, quando chegar nos jogos Olimpicos da Juventude, teremos as melhores condições com os melhores atletas da faixa etária da modalidade", pontua.